Região Metropolitana de Curitiba - Hortaliças Saudáveis

APRESENTAÇÃO

A produção convencional de hortaliças está entre as atividades nas quais são empregadas altas quantidades de agrotóxicos. Segundo informações da EMBRAPA o consumo de agrotóxicos no Brasil aumentou mais de 700% nos últimos quarenta anos, enquanto a área agrícola cresceu 78% nesse período. Ainda de acordo com a mesma fonte o Paraná é o segundo estado no consumo de agrotóxicos com 16% do total utilizado no país, ficando atrás somente de São Paulo. Dentre as culturas com uso mais intensivo por unidade de área estão duas olerícolas: o tomate com 52,5 kg/ha e a batata com 28,8 kg/ha. Além da ameaça à qualidade do alimento consumido na região, há flagrante risco de contaminação no meio ambiente, o que é particularmente grave numa área de mananciais como é a Região Metropolitana de Curitiba.

JUSTIFICATIVA

Embora a produtividade seja um dos elementos importantes para a viabilidade financeira da olericultura, ela não pode ser o único parâmetro a ser perseguido numa visão mais ampla de desenvolvimento que considera os aspectos ambientais e sociais, e que se traduzem finalmente também na viabilidade econômica. É este enfoque ampliado que este projeto adota tendo como estratégia promover a transição da produção com intensa e, muitas vezes, abusiva e inadequada utilização de agroquímicos, resultando em baixa eficiência produtiva, além de manejo impróprio dos solos, água, biodiversidade e outras riquezas ambientais, para a produção agroecológica. A agroecologia é uma alternativa fundamental na busca da sustentabilidade. Inspirando-se na natureza, preconiza processos que procuram compatibilizar a produção e a conservação do ambiente, se valendo para isso de princípios tais como a visão sistêmica, o respeito à biodiversidade e a não utilização de agroquímicos. Oferece vantagens econômicas aos agricultores como resultado do menor custo de produção e/ou dos melhores preços pagos pelos mercados, sejam eles convencionais ou institucionais, que reconhecem a qualidade diferencial de seus produtos. A redução do gasto é resultante, em grande parte, da menor dependência de insumos externos, o que confere também maior autonomia ao agricultor. Entre estes dois extremos, da produção convencional inadequada até à produção agroecológica, há vários estágios intermediários que passam pelo emprego de práticas convencionais de forma tecnicamente correta e a substituição gradativa de insumos químicos por outros menos agressivos ao ambiente. Este projeto tem ações em todas estas etapas, sempre almejando a obtenção de alimentos seguros ao consumidor, a conservação do ambiente e a geração de renda.

OBJETIVO

Promover a transição para uma produção de olerícolas ambiental, social e economicamente eficiente, propiciando o consumo de hortaliças de qualidade na Região Metropolitana de Curitiba, aumentando a renda e qualidade de vida das famílias rurais, proporcionando alimento saudável à população e conservando o ambiente, em especial a qualidade das águas e dos mananciais.

PÚBLICO ALVO

Os agricultores familiares e consumidores compõem o público-alvo final, mas também há ações voltadas a técnicos da ATER pública e privada e agentes de pesquisa e ensino.

METAS

Ampliação de 30% em três anos na produção olerícola agroecológica nas propriedades participantes do projeto;

Ampliação de 20%, em três anos, da área de produção e número de produtores na produção olerícola agroecológica dentro da área de ação do projeto;

Aumento de 30% em três anos no volume de produtos comercializados das propriedades assistidas;

Implantação de novos circuitos curtos de comercialização em três anos em municípios da Região Metropolitana de Curitiba;

Adequação ambiental de todas as propriedades participantes do projeto;

Manutenção e obtenção de bons indicadores de qualidade da água nas propriedades participantes do projeto;

Ampliação de 30% em três anos na renda das famílias participantes do projeto;

Manutenção e avanço nos indicadores de qualidade de vida nas propriedades participantes do projeto;

Permanência dos membros da família em todas as propriedades participantes do projeto.

 

RESULTADOS

Esta proposta está passando por uma reestruturação que envolve a junção de dois projetos anteriores. A partir do final de 2016, com a parceria de outro projeto financiado pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior / Fundo Paraná, conta com reforço para a equipe técnica. Apesar das mudanças e recente estruturação já foram realizadas atividades de capacitação de agricultores e técnicos, assessoramento técnico a agricultores e organização de uma feira agroecológica.

 

 

 

Recomendar esta página via e-mail: